Os diferentes tipos de cogumelos [ATUALIZADO]

Os diferentes tipos de cogumelos [ATUALIZADO]

Devido aos recentes contatos solicitando informações sobre tipos de cogumelos, convidados a todos aos sites abaixo, que possuem, juntos, praticamente todas as espécies de cogumelos já descobertas, com fotos e imagens, informações, dados de como identificar e tudo sobre esses fungos (coloridos ou não)!

Mushroom Hobby

Hongos de Argentina

Fungi Health

Cercle de mycologie de Mons

Swedish Fungi

Pilz Forum

PilzePilze

Mycologie et Lichenologie en Catalogne Nord

North American Mycological Association

Cultura Mix

Para melhor identificação dos cogumelos, indicamos ainda os arquivos Guia de Campo Cogumelos Silvestres e Guia do Colector de Cogumelos:

|

Além dos cogumelos coloridos aqui do blog existem uma infinidade de espécies, tipos, modos e formas de cogumelos por todo o mundo (e quem sabe até fora dele)… Sendo assim não seriamos um lar de todos os cogumelos se não apresentássemos eles para vocês:

Entoloma Hochstetteri
Se uma espécie de fungo tivesse inspirado o artista belga Peyo a criar os Smurfs – simpáticas criaturas azuis que vivem em cogumelos nos quadrinhos infantis, sem dúvida seria o Entoloma hochstetteri. Este fungo azul é típico da Nova Zelândia.
Portobello
Preferido dos franceses, é a versão madura do cogumelo-de-paris. Daí o tom amarronzado. Com textura mais firme, pode ser usado na grelha ou na brasa. A sugestão da micologista (especialista em fungos) Marina Capelari,do Instituto de Botânica do Estado de São Paulo, é rechear com ervas, azeite e queijos fortes, como o brie.
Mycena Chlorophos
Existem dezenas de cogumelos que brilham no escuro, entre eles o Mycena chlorophos. A função da luz verde dos fungos bioluminescentes gera debate. A característica poderia estar associada à dispersão de esporos, que por vezes dependem do esbarrar de animais para serem liberados no ar e atuar na reprodução destes cogumelos.
Cogumelo-de-Paris
É o mais consumido no Brasil, onde é mais conhecido apenas como champignon. ?Quanto maior, mais intenso é seu sabor?, diz Frederico Eira, da Fungibras, empresa especializada na produção de cogumelos, em Botucatu (SP). Pode ser encontrado fresco, seco ou em conserva.
Clavaria Zollingeri
Parece uma fotografia feita debaixo d’água, mas o Clavaria zollingeri é um cogumelo que cresce na terra. Violeta e de ramificações que lembram um coral, este curioso fungo chega a 10 centímetros de altura. Uma espécie parecida é a Clavulina amethystina.
Shimeji
A cor do chapéu varia do branco ao cinza-escuro, mas não há diferença no sabor. O mais claro, porém, sai mais em conta. É bastante resistente ao cozimento e muito usado na culinária japonesa. “O gosto fica mais intenso se salteado na manteiga”, diz Marina Cornibert, professora de gastronomia do Senac-São Paulo.
Véu-de-Noiva (Phallus indusiatus)
Chega a 25 centímetros de comprimento. Sua estrutura mais característica, que lembra uma rede, surge do topo e cresce ao redor do cogumelo já erguido no chão. Espécies similares são a P. cinnabarinus e a P. multicolor, que exibem véus vermelho e amarelo, respectivamente.
Shiitake
Primeiro cogumelo comestível a ser comercializado, é uma excelente fonte de fibras – que correspondem a 40% de sua composição, de acordo com Frederico Eira. A consistência esponjosa absorve o sabor de outros ingredientes. Vai especialmente bem em receitas encorpadas, como molhos e risotos.
Hydnellum Peckii
Um cogumelo que sangra? A substância vermelha que o fungo Hydnellum peckii libera de seus poros já lhe rendeu algumas associações populares com geleias e até com o Satanás. Estudada pela medicina, esta espécie de “seiva” contém propriedades anticoagulantes.
Hiratake
Do gênero Pleurotus, esta espécie é encontrada nas matas brasileiras. Seu chapéu pode medir até 10 centímetros de diâmetro e as cores variam entre branco, marrom, cinza, amarelo e salmão. Ele tem sabor delicado. A sugestão dos especialistas é consumi-lo cozido ou empanado, em forma de tempurá.
Lactarius Indigo
É comestível e também parece sangrar, só que em tom azul – e apenas ao ser cortado (à esquerda, na foto). As demais espécies do gênero Lactarius expelem uma substância similar, de aspecto leitoso, mas a sua coloração varia para tons alaranjados e amarelos.
Pleurotus Salmão
Parente do hiratake. Pela coloração que explica seu nome, é bastante utilizado na decoração dos pratos. “A carne firme tem sabor acentuado”, comenta Frederico. Além de enfeitar, vai bem no preparo de molho para massas. Pode ser encontrado fresco e desidratado.
Calvatia Gigantea
Como o nome sugere, o tamanho do Calvatia gigantea é sua característica mais marcante. Há registro de um espécime com mais de 20 quilos e 1,5 metro de diâmetro. Desde que esteja jovem (com o interior ainda branco), a espécie é comestível
Eringui
É também conhecido como cardoncello. Robusto, um de seus diferenciais é a haste espessa. Encontrado ao natural, seu consumo é indicado para melhorar o funcionamento intestinal. A textura é crocante e o sabor ligeiramente adocicado. Experimente salteá-lo com shoyu, carne e legumes, como fazem os orientais no preparo do yakisoba.
Amanita Muscaria
Não há apenas um cogumelo alucinógeno, mas o Amanita muscaria é certamente o mais famoso deles. Este icônico fungo branco e vermelho tem muscimol como sua principal substância psicoativa e baixa toxicidade, sendo letal apenas se consumido em grandes quantidades.
Nameko
Viscoso como o quiabo, seu chapéu é coberto por uma camada gelatinosa, que desaparece parcialmente no preparo. O sabor inicial lembra o da alcachofra. “Depois, deixa uma sensação doce na boca”, diz Edison de Souza, diretor técnico da Associação Nacional dos Produtores de Cogumelos.
Hericium Erinaceus
O simpático Hericium erinaceus cresce como uma barba grisalha em troncos do hemisfério Norte e é comestível. A variedade funciona ainda como antioxidante.
Rhodotus Palmatus
Encontrar um Rhodotus palmatus com um emaranhado de veias rosadas em seu píleo (o “chapéu” dos cogumelos) não é tarefa simples. Nem todos os fungos da espécie desenvolvem tal característica, alguns têm o topo gelatinoso e liso e intrigam micologistas.
Laccaria Amethystina
Apesar de não ser tóxico e classificar-se como comestível, o fungo Laccaria amethystina pode acumular substâncias encontradas em solo contaminado, do qual se alimenta. Entre elas está o arsênico, que é prejudicial à saúde humana.
Crucibulum Laeve
Os cogumelos da família Nidulariaceae são chamados popularmente de ninho-de-passarinho. O que aparenta ser um amontoado de ovos é, na verdade, um conjunto de esporos, adaptados para se dispersar com a chuva. Na foto, um Crucibulum laeve.
Taça Escarlate (Sarcoscypha Austriaca)
Foi descrita pela primeira vez no final do século 19 e desde então vem sendo confundida com a Sarcoscypha coccínea, espécie que leva o mesmo nome popular e só é distinguível sob um microscópio.
Trametes Versicolor
As cores e o formato do Trametes versicolor lhe renderam o apelido de “turkey tail” (cauda de peru, em inglês) nos Estados Unidos, em referência às plumas traseiras da ave. A espécie detém substâncias que fortalecem o sistema imunológico e é estudada como medicamento complementar no tratamento do câncer. No Brasil, ficou conhecida como cogumelo do sol.
Pseudocolus Fusiformis
Em inglês, este fungo é conhecido como “stinky squid”, ou seja, a lula fedorenta. Os quatro braços unidos no topo remetem ao formato do molusco marinho e o forte cheiro que emana desta substância lodosa (e escura, ao centro) justifica o apelido do Pseudocolus fusiformis. Seu odor atrai insetos, que por sua vez ajudam a dispersar os esporos.
Cogumelo Chapéu da Morte (Amanita Phalloides)
A Amanita Phalloides, conhecida em português pelo nome comum de Chapéu da Morte, é uma espécie de cogumelo altamente venenosa que pode causar a morte se eventualmente consumida. A espécie é originária da Europa, mas pode também ser encontrada na Américas, Austrália e Ásia. Habita florestas, normalmente junto de carvalhos, nogueiras e/ou coníferas.
Cogumelo Cérebro (Gyromitra)
O apelido do Gyromitra esculenta já diz tudo sobre a estrutura desse fungo. Ele aparece pela Europa e por partes dos Estados Unidos e pode chegar a 10cm de altura e 15cm de largura. Apesar de ser fatal se for ingerido cru, ele é vendido como uma iguaria em partes da Escandinávia e na Finlândia, onde vem acompanhado de instruções para preparo. É usado em omeletes e sopas. Apesar disso, pesquisas recentes apontam que seu consumo não é seguro nem quando o cogumelo é cozido.
Compartilhe:

7 Replies to “Os diferentes tipos de cogumelos [ATUALIZADO]”

  1. [email protected] disse:

    Boa tarde me chamo Célio, eu estava andado em pequeno propriedade minha quando me deparei com um tipo de cogumelo muito bonito, pequeno e vermelho, podem me dizer que espécie é.

    Muito pequena e de cor bem vermelha forte.

  2. bom dia!
    eu encontrei uma cogumelo, que nasceu por si só. gostaria de saber qual a especie desse cogumelo, vc poderia me ajudar?

    como eu posso enviar a foto?

  3. Ei, boa tarde!

    Eu me deparei com um pequeno cogumelo no quintal gramado da minha casa. Não sei bem se ele está totalmente crescido ou ainda se encontra em fase de crescimento, mas gostaria de mandar uma foto para que me ajudasse a identificá-lo.

    Desde já, grata!

    1. Olá Duda, por incrível que pareça, mesmo tendo nome de fundo, não somos muito especialistas em espécies de cogumelos, até porque, existem mais de 1.500 espécies, e muitas delas ainda nem estão catalogadas… Nessa postagem, você encontra os maiores e mais especialistas sites sobre este fungo!

      Dito isso, você e qualquer um, pode sempre mandar para o email [email protected] que tentaremos com o maior prazer descobrir de qual espécie, categoria, sabor ou planeta é o fungo! kkkkk

      Abraços de cogumelos

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *